Cara legião de bêbados

Se Bukowski ainda estivesse vivo ele certamente diria a nós, querida legião de bêbadxs pobres e fodidos, para ficar longe de qualquer celular e/ou computador quando estivéssemos altos, no meio daquele porre gostoso que justifica – ou ao menos chega perto disso – a nossa existência lixosa. Ele certamente indicaria num poema: “Filhos da puta,…

Silêncio

Quase quatro da manhã e, enfim, você reina soberano, meu caro. Somente após grande parcela dos corpos vacilantes que ocupam este lado vulgar da cidade adormecerem, e depois de vários dias de existência e súplica desesperadas, que, então, invades o ambiente com tamanha força que o tilintar dos ponteiros do relógio ecoam neste quarto; que…

Na terra de ninguém

Na terra de ninguém os corpos se aglomeram diariamente, e se contraem enquanto são espremidos contra mastros e assentos desconfortáveis. Espremidos contra a fraqueza e o fracasso. – Na terra de ninguém é cada um por si – E as almas vagam, vacilantes, desesperadas, ainda que contidas – ou regradas. Que não lhes cabe manifestar,…

Chora, menina

Sydney Sims Chore tudo o que tiver para chorar. Chore pela cama vazia, pelo cinza dos retratos espalhados pela casa, o resto do vinho que você já não aguenta beber e as bitucas de cigarro que te encaram, te cobram uma atitude – nem que seja um retrocesso. Chore pelo rádio que toca as mesmas…

O outro

Charles Deluvio 🇵🇭🇨🇦 E após as recaídas, As humilhações e o Descaso do outro, Você vai seguir em frente. Que o outro não tinha (e nem há de ter, enfim) O seu manual – sequer tentara -, Não viveu tuas crises, não viveu ou mesmo assistiu tuas intempéries. O outro não atribuiu os teus vícios…

Das crises

Tsc, tsc, tsc. Escrevo, apago, escrevo de novo. Apago novamente. Que diabos é que tá havendo comido? Que diabos eu tô fazendo aqui, bancando a escritora? Por que o texto não flui como antes? Por que não flui mais nem com a bebida? Deve ser a ansiedade. Sim, ela tem me tomado ultimamente. Você planeja…

Fim de jogo pra nós

Certo dia você acorda, olha em volta e se depara com a casa vazia. A casa e a sua carcaça (quase) vazias, na verdade. Que você deixou o sentimento por outrem se apossar e tirar-lhe a razão, cegar-te diante de seus princípios. Você havia abdicado muito antes: de si mesma, das tuas causas. Você se…

Paramos no tempo

Lembra quando você veio aqui pela primeira vez, my boy? Você chegou um tanto acuado, um tanto intrigado. Não sabia o que rolaria – ou não rolaria – naquela noite. Mas você veio. Você arriscou, lançou-se numa narrativa, num desenrolar com uma mera amiga – ou, quem sabe, apenas uma “conhecida”. Mas você veio, my…

Não será suficiente

Se você ficar em casa Esperando-o voltar, Após um dia cansativo de trabalho. Mesmo com a mesa posta, A mesa feita, com o prato favorito dele, E o seu corpo trajado no vestido Que ele trouxe da última viagem. Não será suficiente, menina. Não será suficiente, também, menina, Se você for tão desapegada e tocar a…

Do cansaço

Hoje acordei com uma vontade imensa de abdicar e sumir. Abdicar da faculdade, das contas para pagar, da casa própria, dos dois empregos. Abrir mão de cada pessoa que cruzou o caminho até agora e sumir. Partir para um lugar distante e começar do zero. Sim. Lá eu faria diferente – acho. Não aceitaria metade…